Pular para o conteúdo principal

Postagens

Repertório apresentado no bacharelado em percussão da UFSM (2002-2006)

Costumo arquivar materiais acadêmicos que ficam soltos pela casa sem uma utilidade imediata. Tipo agendas já usadas, folhas com anotações, partituras e programas de recitais que já aconteceram. Reúno esses materiais uma vez ao ano e guardo em caixas que chamo de “arquivo morto”. Bom, algumas semanas atrás resgatei aqui em casa uma dessas caixas/arquivos com mídias (CD’s, DVD’s) e agendas. A intenção era de livrar-me daquilo que julgasse inútil e ganhar algum espaço nas sobrecarregadas estantes de livros. Entre diversos álbuns e documentos digitais (guardados desde o ano de 2006) encontrei backups antigos do meu primeiro computador. Lá estavam relatórios, trabalhos de disciplinas da graduação e também lembranças dos anos intensos de estudos a aprendizados na Universidade Federal de Santa Maria-RS. Entre os diversos arquivos e anotações digitalizadas (documentos do word) encontrei especialmente um que tinha a descrição do repertório que toquei durante o período de graduação em Santa Mari

Ritmos Brasileiros: Baião

Nesta publicação lanço algumas referências que considero importantes para pensarmos a constituição do gênero musical Baião na música popular Brasileira. Me movimento por discos clássicos (encontrados livremente na internet), nomeio compositores tradicionais e instrumentos típicos desse estimado gênero musical Brasileiro Espero que o texto sirva como guia inicial de pesquisa sobre o Baião.  A produção cultural do Nordeste Brasileiro sempre foi muito rica e diversificada. É inegável a importância da produção artística e cultural de nomes como Patativa do Assaré, Ariano Suassuna e João Cabral de Melo Neto. Além disso, temos como patrimônio cultural o artesanato em renda, os cordéis, trabalhos em cerâmica, couro, e outros elementos produzidos a partir dos recursos naturais desta localidade. No campo musical não há como deixar de citar a obra de Jackson do Pandeiro, Carmélia Alves, Sivuca e outros tantos músicos que revigoraram a música Brasileira com suas composições marcantes e singulares

John Cage: 10 regras para alunos e professores

Cage, 10 Rules for Students and Teachers RULE ONE: Find a place you trust, and then try trusting it for a while. RULE TWO: General duties of a student: pull everything out of your teacher ; pull everything out of your fellow students. RULE THREE: General duties of a teacher: pull everything out of your students. RULE FOUR: Consider everything an experiment. RULE FIVE: Be self-disciplined: this means finding someone wise or smart and choosing to follow them. To be disciplined is to follow in a good way. To be self-disciplined is to follow in a better way. RULE SIX: Nothing is a mistake. There’s no win and no fail, there’s only make. RULE SEVEN: The only rule is work. If you want it to lead to something. It’s the people who do all of the work. RULE EIGHT: Do not try to create and analyze at the same time. They’re different processes. RULE NINE: Be happy whenever you can manage it. Enjoy yourself. It’s lighter than you think. RULES: We’re breaking all the rules. Even our own rules. And ho

Litofone: instrumento musical de pedra

O litofone é um instrumento musical construído com barras de pedra (em algumas culturas é conhecido como fonolitos). Podemos dizer resumidamente que Litofones são pedras que vibram e produzem som. Os chineses antigos gostavam de carrilhões de pedra, muitos dele foram encontrados em túmulos chineses antigos. Nos tempos posteriores os chineses fizeram carvões de pedra de jade. Esse instrumento pode ser tocado com baquetas em forma de martelo. Ele é composto por uma ou mais pedras dispostas em forma de escala. As notas podem ser tocadas de forma simultânea (produzindo uma base harmônica) ou em sucessão (melodicamente). O instrumento costuma ter a disposição de notas semelhante ao xilofone e a marimba História do Litofone Desde tempos remotos têm-se notícias da utilização dos litofones, principalmente na região da Indochina (sudeste asiático). Os litofones  ainda são usados em igrejas Etíopes e quase exclusivamente para cerimônias religiosas em comunidades locais da Indochina. Em alguns te